Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Quando o Cancro Bate à Porta...

por Mammy, em 19.12.11
Nós, pessoas saudáveis, que nunca tiveram cancro, pensamos:

-Ok, há muita gente com cancro, avós, tias/os e mães/pais, mas, normalmente, acontece aos outros, mesmo que sejam outros muito próximos.

Nós, pessoas que já tiverem cancro, pensamos:

-O que quer dizer esta borbulha? Será cancro na pele? E esta dor no peito, será cancro no pulmão? Estes suores nocturnos serão uma qualquer espécie de cancro que desconheço? 

publicado às 21:32


11 comentários

De Teresa a 19.12.2011 às 22:48

Qualquer pequena alteração é um alarme para nós... e ainda bem que assim é! Porque se não fossem elas provavelmente já não estaríamos cá. E ser mãe... é tramado, mas também é a melhor razão para termos a certeza de estarmos alerta :)

De Mammy a 19.12.2011 às 23:13

É verdade, mas o meu estar alerta começa a tornar-me numa hipocondríaca...
:)

De Tanita a 20.12.2011 às 15:24

Nós que até então saudaveis, deveríamo-nos preocupar assim. Bj** e espero que esteja tudo bem.

De Gypsy a 20.12.2011 às 22:00

O pior é que o mal não bate só à porta dos outros.
Beijinhos!

De Mammy a 20.12.2011 às 22:15

Tanita,
Acho que está tudo bem, mas a dúvida anda sempre no ar...
Bjs

Gypsy,
Pois não, à minha já bateu!
Beijinhos

De Pretty in Pink a 21.12.2011 às 00:48

Pois é, feliz ou infelizmente a minha situação é a primeira...o medo de descobrir é tanto que ignoro qualquer sintoma...sei que faço mal e como eu há muita gente...Está na hora de enfrentar-mos a situação...

Beijinho*

De Felina a 21.12.2011 às 11:28

A prevençao é vital, o tempo é um verdadeiro contra relogio que é preciso controlar, mas é necessário encontrar um equilibrio, pensar demasiado pode ser muito desgastante e perder qualidade de vida, mas entendo a ansiedade... força e esperança acima de tudo...

Beijinho e tudo de bom para ti e para os teus

De Henrique ANTUNES FERREIRA a 21.12.2011 às 13:32

Mammyamiga

Compreendo-te e acompanho-te e solidarizo-me. Não o tive, mas já vi partir na minha família uns quantos casos sempre dolorosos, sempre difíceis, sempre difíceis de aceitar.

Perdi meu Pai, tinha eu 18 anos, com um no duodeno, raríssimo e passei de cavalo para burro; além da saudade que ainda hoje sinto, ficou-me a revolta. Era católico, mas... curei-me.

Sim, ser Mãe é difícil; ser Pai também é. E ser Avô é... muito bom. O teu filho vai ser um Homem, com caixa alta, como dizemos no jornalismo. Tenho a certeza, com uma tal Mãe.

Qjs = queijinhos = beijinhos para tu (?) e para ele

E que tal uma injecção de riso na minha Travessa? Ajuda...

De Naná a 21.12.2011 às 14:40

Mammy, eu que vi de perto o cancro da minha e depois o tumor do meu pai, fiquei como que anestesiada... não me ponho a vislumbrar tudo no meu corpo... acho que não tenho medo por mim... tenho mais medo pelo meu filho...
No entanto, adoptei uma postura talvez um pouco parva... prefiro não pensar nisso...
Faço o auto-exame da mama de vez em quando, mas porque me obrigo a tal...

De Mammy a 21.12.2011 às 14:49

Felina,
Já te disseram que és uma querida?
Se ainda não, eu digo-te:
És uma querida!
Beijinhos e tudo de bom para ti e para quem te acompanha!

Henrique,
Não estou deprimida, mas vivo em constante sobressalto e stress, lá isso é verdade...
Injecções de riso são mesmo comigo!
Irei visitá-lo à sua Travessa, pode ter a certeza.
É um prazer receber a visita de um avô, aqui no meu cantinho!
Seja bem vindo!
Beijinhos

Comentar post


Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Visitas