Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Está Tudo Doido?

por Mammy, em 29.11.11
Hoje, li esta notícia e fiquei de boca aberta!
Ok, podem chamar-me ingénua, mas uma notícia destas (comprovando-se que foi o que realmente aconteceu) é muito difícil de digerir. 
Como é possível um pai ter uma ideia tão brilhante(?) como a de pôr um filho de castigo dentro da máquina de lavar roupa? Que raio de iluminação divina o faz, depois, ligar a máquina no modo de secagem????
O homem só podia estar sob efeitos de LSD ou coisa parecida... Só estando a alucinar é que se pode confundir um filho com uma peça de roupa...
E a irmã ainda diz que não foi a primeira vez que o pai fez uma atrocidade destas?!

Começo, seriamente, a achar que está tudo a ficar louco... Ou então, sou eu que não estou boa da cabeça...

publicado às 23:42

Pergunta

por Mammy, em 28.11.11
Bloggers amigos, não vos está a acontecer desaparecerem-vos blogues que estão a seguir e aparecerem-vos outros que já pararam de seguir?

Todos os dias, tenho que adicionar uns e tirar outros! 

Já estou a ficar farta disto!!!!!

publicado às 12:40

Fome

por Mammy, em 28.11.11
Há uns tempos atrás, quando ia para o trabalho, encontrava várias vezes um senhor idoso a pedir esmola à saída do comboio. Dei-lhe dinheiro, não sempre, mas em algumas ocasiões...
Este senhor impressionou-me pela sua fragilidade, por isso falei sobre ele, cá em casa. Contei que ele me parecia sofrer de várias doenças devidas à idade e que não teria dinheiro para comer quanto mais para os vários medicamentos que provavelmente tinha que tomar. O J. foi particularmente sensível a esta história e começou a arranjar soluções para o ajudarmos. Foi à despensa buscar um litro de leite, umas bolachas e um garrafão de água e disse:
-Mãe, vamos levar isto ao senhor! Assim, já tem alguma coisa para comer... 
Enterneceu-me a preocupação dele, mas como eu não sabia o dia da semana que poderíamos encontrar o senhor na estação (pois ele não aparecia a dias certos) acabámos por nunca lhe levar os alimentos. Foi pena, pois acho que o J. ia gostar de sentir que podia fazer alguma coisa para o ajudar.

Nas férias desse ano, fomos a Roma. 
Roma é uma cidade belíssima, cada pedra em que tropeçamos é um monumento. Mas Roma também é uma lição de vida, porque à porta das igrejas mais luxuosas encontramos uma dezena de pedintes...
Por incrível que pareça, o caminho para o Vaticano seria o local ideal para elaborarmos um catálogo completo de pedintes. Lá, podemos encontrar  todo o tipo de "restos humanos", desde pessoas com tumores enormes, com membros amputados, a velhos e mulheres com crianças ao colo sob um sol abrasador, há de tudo...
Um muro alto separa o luxo extremo da "sede real da Igreja Católica" da realidade em que vivemos e separa-a efectivamente, pois o Império Católico não mostra a mais pequena sensibilidade sobre o que passa para além daquele muro...

Vaticano

A riqueza da Basílica de São Pedro choca, especialmente, perante o que temos que ver até lá chegar...
Se desprovêssemos a Basílica de São Pedro do ouro que a adorna (sem termos que ir buscar mais à imensa riqueza da Igreja) daria para acabar com a fome de muitas daquelas pessoas...
Claro, que não sou tão ingénua ao ponto de pensar que todos os pedintes que vimos na rua são pessoas com uma verdadeira necessidade de mendigar. No entanto, acredito que muitos casos são, realmente, de extrema pobreza...
E fico impressionada, indignada (e mais umas tantas outras coisas acabadas em ada, como por exemplo, lixada), quando vejo entidades tão poderosas como a Igreja Católica, que se dizem bondosas e altruístas, a fazerem praticamente nada para combater a fome no mundo e a ostentarem tanto luxo e riqueza!

Basílica de São Pedro (interior)
Para entrarmos na Basílica de São Pedro, temos que tampar os ombros e as pernas. Eu, por saber disto,  levei uma écharpe grande para me tapar...
Antes de entrarmos o pai do J. criticou o facto de eu a usar. Ele achava que era uma parvoíce e que eu não devia fazê-lo, se não concordava com isso. Ao contrário dele, eu acho que, quando queremos entrar na toca do lobo, devemos vestir a pele do lobo e não a do cordeiro, para evitar que sejamos comidos.
Foi o que fiz e confesso que foi um acto um pouco hipócrita da minha parte, mas a minha hipocrisia não é nada se a compararmos com a do Vaticano que rodeia um local, que deveria ser de culto, com artigos de merchandising para engrossar a, já enorme, fortuna do Vaticano. Se somarmos a isto, as caixas de esmolas e as velas de moedinhas, conseguimos, então, compreender melhor a imensa importância que a Igreja dá a fazer dinheiro. Dinheiro este que não é só usado para ajudar os pobres, mas especialmente para encher os  próprios bolsos.

Esta nossa estadia em Roma, no fundo, serviu para o meu filho perceber que o mundo está cheio de desigualdades e que para existirem igrejas cheias de ouro, tem que existir muita gente com fome...
Ele zangou-se comigo, várias vezes, por eu não dar esmola a todas as pessoas que vimos a pedir, mas como eu sou egoísta, prefiro guardar algum dinheiro para poder viajar e mostrar-lhe as coisas boas, mas também as más deste mundo e, com isto, contribuir para fazer dele uma pessoa um bocadinho melhor por estar alerta para a realidade, por mais dura que esta possa parecer...


publicado às 00:09

Juro Que Não Queria, Mas Teve Mesmo Que Ser...

por Mammy, em 24.11.11
É verdade, eu estava um bocadinho renitente em vir aqui falar da greve, mas este assunto está a começar a fazer-me aquela comichãozita no céu-da-boca, por isso vou ter mesmo que dizer umas coisitas!

Perdoem-me os grevistas e os antigrevistas, mas acho, sinceramente, que esta greve é inútil! Fizeram-se tantas greves ultimamente e qual foi o resultado? Nenhum! Está tudo igual ou pior!

Grevistas amigos, acham mesmo que o governo se ressentiu, um bocadinho que seja, com as últimas greves da função pública, dos transportes ou mesmo com as gerais?
Eu, na minha profunda ignorância, penso que não!
(Atenção: sou a favor do direito à greve, sempre!)

Queridos antigrevistas, acham mesmo que o facto de não terem feito greve os protegeu de alguma coisa? Que lhes assegurou o emprego, que produziram alguma coisa de extraordinário nos departamentos quase vazios?
Mais uma vez, na minha profunda ignorância, acho que não!

Será que não percebem que hoje em dia e nas condições em que estamos, a greve não serve de grande coisa? E que a não-greve também não...

E agora, de certeza, que me querem perguntar se eu fiz greve, já que estou para aqui a criticar quem a fez e quem não a fez...

Não fiz greve, porque não posso, estou desempregada, mas se pudesse, talvez não a fizesse, porque acho que não iria servir para nada! Acho que, nos dias de hoje (e com muita pena minha) é uma forma de luta inútil! E ainda digo mais, se eu acreditasse que mudaria alguma coisa, por mais pequena que fosse, era bem capaz de ir ao Centro de Emprego dizer para não me pagarem o dia de hoje por eu estar em greve (acreditem que sou suficientemente parva para isso e muito mais, quando acredito numa causa!).

Se, em vez de greves, umas atrás das outras, de manifestações empestadas de gente que quer é fazer porcaria (claro que com as devidas excepções) e ter desculpa para beber uns copos, saíssemos todos da praia ou do conforto do lar e fôssemos às urnas votar (nem que votássemos em branco), não seria mais interventivo? Não seria a melhor maneira de mostrarmos o nosso verdadeiro descontentamento com os sucessivos governos que temos tido?

E porque será que, em Portugal, são sempre os mesmos partidos a ganhar as eleições e esses partidos são os que têm mais dinheiro, que dão mais jantaradas, que oferecem as bandeirolas mais coloridas, que têm os candidatos que dão mais beijinhos e aparecem mais vezes na televisão?

Não será, porque quando há a ideia do luxo, do contacto com gente famosa, do mediatismo, da farra, o povo português fica deslumbrado? Dêem-lhe festarolas, copos, boa comida em grandes quantidades, futebol e um brindezinho da treta, que o povo vota todo contente e acredita que estes gajos é que são fixes, estes gajos é que vão fazer de nós um povo à maneira, cheio de LCDs, de telemóveis, de carros caros, de jóias pirosas e roupa de marca estrangeira (porque o estrangeiro é que é bom!).

(Pois é, a minha triste ignorância, leva-me a pensar todas estas coisas horríveis!)

E agora, pensem comigo, por favor, pois a minha loirice, às vezes, impede-me de raciocinar com clareza:
Se as roupas, os carros, as televisões, as jóias e até a comida que consumimos são estrangeiras, porque raio querem que produzamos mais, porque raio querem que trabalhemos mais meia hora por dia? Vamos produzir coisas para quem comprar? Se até nós rejeitamos o que é nosso, se até nós achamos que o produto estrangeiro é melhor do que o nosso... Quem acham que vai acreditar que temos coisas boas se nem nós próprios acreditamos?

Não pensem que, com isto, estou a chamar o povo português de estúpido, pois não estou! O povo português não é nada estúpido, antes pelo contrário... Especialmente, quando acha que vai tirar algum proveito das situações, especialmente quando pensa que pode ficar em vantagem sobre os restantes, que vai ficar mais rico e ser mais admirado!

Mas o povo português também é um dos melhores a trabalhar quando emigrado... Pois é, quando emigrado!
Quando tem chefias que dão o exemplo, quando tem chefias que organizam o trabalho de maneira a tornar cada um dos trabalhadores mais produtivo, quando a própria chefia é mais produtiva... Porque o problema aqui não é da classe trabalhadora, do povo, mas é das chefias, dos governantes, dos exemplos que vêm de cima...
E quem coloca os governantes no poder? Nós, o povo!
E porque não elegemos governantes de jeito? Porque, simplesmente, não vamos votar...
Temos uma percentagem de abstenção assustadora, porque é mais fixe ir curtir uma prainha do que ir para as bichas nas mesas de voto... Se, pelo menos, oferecessem umas "bejecas" ou umas "sandochas de coiratos" ainda valia a pena levantar o rabo da toalha de praia ou do sofá, mas assim...

E salvo SEMPRE as devidas excepções, que se não fossem elas, estaríamos muito, mas muito pior...

publicado às 23:21

Carneiros

por Mammy, em 23.11.11
Não gosto de carneiros! Não estou a falar dos animais, esses como-os, sem grande satisfação, é certo, pois em tempos, passei um dia inteiro a ajudar um veterinário a vaciná-los e cada vez que os como, cheiram-me sempre ao borreguinho vivo, branquinho e fofinho. 

Os carneiros de que não gosto são aqueles que seguem cegamente um suposto ídolo e que dizem "ámen" a todas as idiotices por eles proferidas. Não gosto dos carneiros políticos, dos religiosos e muito menos dos carneiros sociais!

Porém, não os excluo totalmente, pois penso que têm alguma utilidade, especialmente para os que seguem, enaltecendo-lhes o ego e fazendo-os sentirem-se importantes. Também não gosto que me sigam cegamente, gosto, logicamente, que me elogiem, que gostem de mim, do que digo, do que escrevo, mas também gosto que me critiquem, que contestem as minhas ideias, que contraponham as minhas teorias, enfim, que tenham opiniões diferentes da minha. E penso assim, porque não me julgo dona da verdade (nem tenho pretensões a isso) e não acho que haja alguma teoria completamente isenta de uma contra teoria! Gosto tanto que aprendam comigo como de aprender com os outros e penso que me daria muito menos prazer se fosse de outra forma!

É óbvio que as nossas ideias vêm sempre um pouco do que lemos, do que ouvimos, do que estudamos, do que discutimos, mas também vêm do nosso próprio raciocínio, da nossa visão pessoal das coisas, por isso são as NOSSAS ideias e não meras citações.

É essa ausência de ideias próprias que me aflige nos carneiros! 
Se despendermos um tempinho a observá-los, chegamos à conclusão que os carneiros não pensam e que é por não pensarem que repetem as ideias dos seus ídolos, que vomitam sem nexo, sem coerência, sem sentido crítico...

Acho triste existir pessoas que apenas usam a cabeça para a levarem ao cabeleireiro ou para a decorarem com chapéus! Acho triste que não vejam mais nenhuma utilidade nela e que precisem dos outros para darem a impressão que raciocinam.
Não vejo mal nenhum em partilharem-se opiniões e em estar-se de acordo, mas desconfio sempre quando uma determinada pessoa concorda sempre com outra determinada pessoa... 

Por vezes, quando discutimos com um carneiro, vemo-lo a defender uma teoria ferozmente, até ao momento em que aparece o seu ídolo a concordar connosco e, nesse preciso instante, o carneiro muda de opinião e passa instantaneamente a estar de acordo com o que rejeitava à partida. E muda de ideias não porque, através do seu raciocínio, tenha chegado à conclusão que estávamos certos, mas porque o sujeito digno da sua admiração concorda connosco. Chegam a ser deprimentes!

Dantes, esta carneiragem só me deprimia, mas actualmente começa mesmo a assustar-me, porque cada vez mais este país está a tornar-se numa imensa pastagem, cheia de carneiros e com um ou dois pastores ignóbeis, que os obrigam a pastar sem que possam desviar o olhar de um pasto seco, bolorento, mal cheiroso e desenxabido! E os cães... esses, que ainda se ouviam ladrar de vez em quando, estão a ficar afónicos!

Imagem retirada da Internet

publicado às 23:52

Noite Fora de Casa

por Mammy, em 22.11.11
Ontem, fui dormir a casa da minha mãe porque ela está a recuperar de uma intervenção cirúrgica e precisava de mim lá!

Hoje, disse aqui em casa:
-Não sei se vou dormir em casa da minha mãe, outra vez...
Quase em uníssono, ouve-se:
-O quê???? Nem penses! Precisamos de ti cá!
Eram os 3 machos cá de casa... O pai, o filho e o espírito santo, ups enganei-me... o espírito demoníaco que está escondido debaixo da pele de um gato.

Não fazia ideia que sentiam tanto a minha falta nesta casa! Sinto-me extremamente lisonjeada! E olhem que eu não sou daquelas mulheres que fazem a papinha toda aos seus homens e que, quando se ausentam, eles ficam completamente desorientados. Sou pela igualdade de género, tanto nos direitos como nos deveres, por isso os mimos que faço a este pessoal não passam pelos atributos de uma fada do lar. Ao contrário do que acontece com elas, os meus homens não precisam de mim para lhes fazer coisinhas como arrumar a cozinha, tratar-lhes da roupa ou fazer o jantar... No entanto, precisam de mim, sentem saudades minhas e demonstraram-no! (Acreditam que até o gato andou sempre atrás de mim durante a primeira hora que estive em casa? Cada vez que me virava, tropeçava nele!)

Gostei desta recepção calorosa! Acho que vou começar a dormir fora, pelo menos uma vez por semana...

publicado às 22:46

Bruxas

por Mammy, em 22.11.11
Imagem retirada da Internet
Porque é que a maioria das bruxas das histórias para crianças são velhas e feias? Não é, com certeza, para retratarem as da vida real, pois estas são geralmente novas e, por vezes, até  bonitinhas. 

Será para dar uma impressão de extrema fragilidade, causando pena e assim poderem atacar as princesas e os príncipes mais à vontade? Não me parece, pois esta sociedade não se apoquenta nada com a fragilidade alheia e não tem pena nenhuma nem dos velhos, nem dos feios, antes pelo contrário, maltrata-os sem dó nem piedade!

Então, será para pôr as crianças cheias medo dos velhos e das pessoas feias? Se a finalidade não é esta, bem podia ser, pois é o que acaba por acontecer!

E vocês? Sabem porque é que as bruxas são quase sempre assim?

Se souberem, por favor, digam-me, pois este assunto, há muito, que me anda a intrigar!

publicado às 16:09

Pág. 1/4



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Visitas