Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O "Post" do Adeus

por Mammy, em 31.07.14

Este blogue vai dizer adeus.

Foi criado apenas para ver se me habituava ao blogs do Sapo e para testar a quantidade de visualizações relativamente ao blogger.

Hoje, acabou de cumprir a sua missão. Não me habituei ao blogs e, apesar de não ter um monte de seguidores, nem um monte de visualizações, o blogue no blogger é mais feliz.

 

Continuo por. Façam-me uma visitinha se vos apetecer, quando vos apetecer.

 

Até já!

 

Ser Mãe é Tramado

publicado às 00:36

Sei Que Estás Aqui

por Mammy, em 27.07.14

Às vezes, sinto-me sozinha. Tão sozinha, neste mundo, que acho que ninguém me entende. Nessas alturas, falo contigo e sinto-me menos sozinha. Ou acompanhada na minha solidão. Vejo-nos aos dois, juntos e sós, no meio de uma multidão. Chega a ser claustrofóbico. Tento respirar o ar dos outros, mas ele não me chega. Não nos chega. Tento falar-lhes, mas não me ouvem. Ou fingem que não ouvem. Ou não me saem palavras que queiram entender.

 

Às vezes, esta solidão preocupa-me. Outras não. Sei que estás aqui.

E isso chega-me.

 

publicado às 02:18

Trabalho a Favor da Comunidade

por Mammy, em 26.07.14

Eu - J., vai pôr a mesa!

J.- Oh, mãe, não, isso é que não!

Eu - Vai lá, é a tua função nesta comunidade.

J.- Oh não! Então quero mudar de comuna.

Eu - Muda, muda. Vê se arranjas outra comunidade onde que dêem de comer, vestir, amor e carinho como nesta. E onde nem sequer tenhas que pôr a mesa.

J.- Pronto, ok, já vou pôr a mesa!

 

publicado às 14:38

A Propósito da Nova Mania De Que Todo o Mundo Sabe Fotografar

por Mammy, em 25.07.14

Não é o tamanho da objectiva que faz o grande fotógrafo.

 

Daqui

 

 

 

Daqui

Era só isto.

 

publicado às 00:11

Leituras

por Mammy, em 24.07.14

Vim aqui só avisar que ando a ler a Biografia Involuntária dos Amantes para o caso de alguém estar interessado em saber.

 

DAQUI

 

Continuo com a síndrome das folhas em branco que no meu caso nunca foi página, já deixou de ser folha para passar a ser folhas e vou a caminho do caderno. Ou seja, continuo aparvalhada. Não me liguem, ok?

 

publicado às 01:36

Castelos

por Mammy, em 18.07.14

Ver-te, o tempo todo, a encestar no cesto do quarto, no da rua, nos caixotes do lixo ou num cesto imaginário é ver-me a fazer rodas em todas as ruas sem trânsito e pinos em todas as paredes sem portas ou janelas.  

Sempre que te observo a imaginares jogos em que todos os jogadores és tu, lembro-me dos concursos de ginástica em que todas as concorrentes era eu. Ralho-te, porque é a minha função evitar o exagero e despertar-te para outras coisas, mas sinto essa obsessão que se apodera de nós quando gostamos realmente de alguma coisa. Sinto a força que nos domina e nos faz ultrapassar os limites que o corpo nos tenta impor. E sei que a nossa vida se vai alimentando disso, da transposição de barreiras e da criação de novas, em que vivemos dessa adrenalina e respiramos as nossas secretas vitórias. Uma após outra, como se de tijolos se tratassem, vamos construindo o nosso castelo imaginário, onde somos reis e senhores.

 

Sabes, filho, ainda hoje tenho os meus castelos? Mais pequeninos do que em criança, mais fáceis de construir, mas também menos belos e desejados. 

Às vezes, fico com medo de destruir os teus, pelo exemplo do insucesso dos meus e por não te deixar voar demasiado alto para que, se caíres, não te magoes, tanto. 

E fico com medo de não ser capaz de te ajudar a ser feliz e de fazer tudo errado. Tenho pavor de fazer tudo errado e de te ver perder essa ânsia de construir castelos e de te superares a cada tijolo. 

 

DAQUI

 

publicado às 04:10

Vampirizar

por Mammy, em 07.07.14

Uma multidão cerca-nos. Olhamos em volta e só caras desconhecidas. Tentamos decifrar expressões, ler pensamentos, ver para além das expressões e dos pensamentos. 

 

E nada. 

 

Fechamos os olhos e inventamos histórias para as caras que se gravaram na nossa mente. Imaginamo-las íntimas entre elas, a amarem-se e odiarem-se num quotidiano monótono em que as conseguimos ver a acordar, a lavarem-se, a vestirem-se, a comer, a abandonarem-se. 

 

Caras estremunhadas, caras desconhecidas estremunhadas. Abandonadas.

 

Somos nós que as rodeamos agora. Tal predador em volta da presa, cheiramo-las, inspiramos-lhes o odor até nos inebriarmos de fome e nos fixarmos na ideia de as devorar. 

Num salto, atacamos-lhes o pescoço da alma e sorvemos-lhes a essência. Sugamo-las por inteiro até as possuirmos. São nossas. São nossas. 

 

É a partir deste momento que as podemos estampar numa folha de papel e escrevê-las, desenhá-las, apagá-las e reescrevê-las novamente a nosso bel-prazer. São nossas.

 

 

publicado às 02:17

Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Visitas