Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Leituras

por Mammy, em 24.07.14

Vim aqui só avisar que ando a ler a Biografia Involuntária dos Amantes para o caso de alguém estar interessado em saber.

 

DAQUI

 

Continuo com a síndrome das folhas em branco que no meu caso nunca foi página, já deixou de ser folha para passar a ser folhas e vou a caminho do caderno. Ou seja, continuo aparvalhada. Não me liguem, ok?

 

publicado às 01:36

Vampirizar

por Mammy, em 07.07.14

Uma multidão cerca-nos. Olhamos em volta e só caras desconhecidas. Tentamos decifrar expressões, ler pensamentos, ver para além das expressões e dos pensamentos. 

 

E nada. 

 

Fechamos os olhos e inventamos histórias para as caras que se gravaram na nossa mente. Imaginamo-las íntimas entre elas, a amarem-se e odiarem-se num quotidiano monótono em que as conseguimos ver a acordar, a lavarem-se, a vestirem-se, a comer, a abandonarem-se. 

 

Caras estremunhadas, caras desconhecidas estremunhadas. Abandonadas.

 

Somos nós que as rodeamos agora. Tal predador em volta da presa, cheiramo-las, inspiramos-lhes o odor até nos inebriarmos de fome e nos fixarmos na ideia de as devorar. 

Num salto, atacamos-lhes o pescoço da alma e sorvemos-lhes a essência. Sugamo-las por inteiro até as possuirmos. São nossas. São nossas. 

 

É a partir deste momento que as podemos estampar numa folha de papel e escrevê-las, desenhá-las, apagá-las e reescrevê-las novamente a nosso bel-prazer. São nossas.

 

 

publicado às 02:17

A Magia do Harry Potter

por Mammy, em 26.02.14

Ok, sou um bocado preconceituosa! Best sellers não são muito a minha praia! 

O facto dos livros se venderem às carradas tira-me a vontade de os ler. É raro optar pela compra de um livro que se vende a rodos, prefiro quase sempre quaisquer outros. Oh pá, não sei explicar melhor, é coisa que me tira a vontade, o que é que querem?

 

Como já disse AQUI, tentei pegar o "bichinho d' Os Cinco" ao J. (ó sua tonta, e Os Cinco são o quê? Não são um monte de um best sellers?), mas parece que o entusiasmo por estes livros se esfumou com a mesma rapidez que surgiu naquele dia. Depois d' Os Cinco, que não chegou a acabar de ler, já leu vários outros livros, mas o que apaixonou o pequeno tem um nome que me faz uma certa comichão - Harry Potter! 

 

O Harry Potter entrou cá em casa pela minha, e do pai, mãos. 

No Natal, oferecemos-lhe um livro para ver se era este o estilo que mais o entusiasmava (mas na esperança de que não fosse) e, desde aí, o miúdo não larga o raio do feiticeiro. Vai a meio do terceiro volume e já me deu o toque para comprar o quarto.

Para quem não vai à bola com best sellers é um abalo difícil de controlar! Claro que a culpa é minha (e do pai) porque fui eu (nós) que lhe apresentei (támos) o maldito bruxo, mas também não era preciso o miúdo ficar assim tão viciado.

Ou era?

 

Há muiiiiiitos anos, na altura em que surgiu a epidemia "Harry Potter", eu trabalhava numa livraria e vi de perto como os miúdos invadiam a loja sempre que saía um novo livro. Era a loucura, uma loucura que nunca consegui entender... Primeiro, porque não gosto nem um bocadinho de histórias fantásticas, depois por causa da síndrome best seller que me impediu de, sequer, começar a ler estes campeões de vendas. Assim, fiquei-me pela leitura das contra-capas e, confesso, que não consegui alcançar o porquê das corridas às livrarias. Mas como corridas são boas, e ainda mais às livrarias, e muito mais ainda se por parte de miúdos, acabei por ficar só a desfrutar a coisa e desisti de entender.

 

Por ironia do destino, hoje, sou eu que corro para a livraria sempre que o meu filho está a um capítulo do fim dos livros. Claro que não é coisa que me rale, correr para livrarias, que eu até sou menina de passar lá umas boas horas assim como algumas pessoas passam em boutiques a experimentar roupa, mas faz-me um bocado impressão o MEU miúdo ser viciado NESTES livros e EU andar a correr atrás deles sem, sequer, saber bem porquê. 

 

Faz-me sentir assim como que...

 

... um bocado gozada pelo puto da varinha mágica... 

 

Imagem roubada por aí

 

Imagem roubada por aí

 

publicado às 01:49

Aquilo Que Não Sai

por Mammy, em 20.12.13

Apetecia-me dizer coisas. Escrever coisas. Escrever, escrever, escrever. Mas as coisas não me saem. Parece que se trancaram cá dentro e não saem. 

Vou enchendo e preciso de explodir. Como um balão que cresce com o ar. Estou um balão de coisas para dizer. Mas no silêncio. O silêncio é o meu ar, agora. E enche-me. Enche-me inteira.

Queria a minha vida em palavras. Palavras belas e feias. E belas e feias. Palavras sem fim. Escrever cada letra e formar palavras, e frases, e textos, e contos, e livros. Livros cheios de ar. Do ar das palavras que o vento não leva. Palavras que ficam. Belas e feias. E lê-las. E não gostar delas. E amá-las. E escrever outras.

Queria um mundo de letras. E mergulhar nas palavras dos livros. Viver em livros e histórias. E em pensamentos de papel. Recortar ideias e sonhos e colá-los no papel. Assim, nesta forma que se lê.

Mas essas coisas não me saem. 

 

publicado às 00:11

Knojo!

por Mammy, em 15.07.13
Este livro foi oferecido ao J. há já algum tempinho, mas na altura ele não lhe ligou grande coisa. 

Ontem, não tínhamos nada para ler como história pré-sono e eu resolvi pegar neste. O J. adorou o primeiro capítulo e ficou entusiasmado para ler o resto.

Hoje à tarde, apanhei-o a lê-lo sozinho e à noite voltámos a ler juntos sobre coisas nojentas. Lemos sobre as ranhocas que soltamos quando espirramos e sobre os fungos que causam o pé-de-atleta.

O livro é cheio de humor e ensina-nos a fazer ranhocas artificiais e coisas do género que podem ser usadas em brincadeiras.


É mesmo muita giro, blhac!

Imagem DAQUI

publicado às 02:21


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Visitas


Posts mais comentados