Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Sei Que Estás Aqui

por Mammy, em 27.07.14

Às vezes, sinto-me sozinha. Tão sozinha, neste mundo, que acho que ninguém me entende. Nessas alturas, falo contigo e sinto-me menos sozinha. Ou acompanhada na minha solidão. Vejo-nos aos dois, juntos e sós, no meio de uma multidão. Chega a ser claustrofóbico. Tento respirar o ar dos outros, mas ele não me chega. Não nos chega. Tento falar-lhes, mas não me ouvem. Ou fingem que não ouvem. Ou não me saem palavras que queiram entender.

 

Às vezes, esta solidão preocupa-me. Outras não. Sei que estás aqui.

E isso chega-me.

 

publicado às 02:18

Leituras

por Mammy, em 24.07.14

Vim aqui só avisar que ando a ler a Biografia Involuntária dos Amantes para o caso de alguém estar interessado em saber.

 

DAQUI

 

Continuo com a síndrome das folhas em branco que no meu caso nunca foi página, já deixou de ser folha para passar a ser folhas e vou a caminho do caderno. Ou seja, continuo aparvalhada. Não me liguem, ok?

 

publicado às 01:36

Vampirizar

por Mammy, em 07.07.14

Uma multidão cerca-nos. Olhamos em volta e só caras desconhecidas. Tentamos decifrar expressões, ler pensamentos, ver para além das expressões e dos pensamentos. 

 

E nada. 

 

Fechamos os olhos e inventamos histórias para as caras que se gravaram na nossa mente. Imaginamo-las íntimas entre elas, a amarem-se e odiarem-se num quotidiano monótono em que as conseguimos ver a acordar, a lavarem-se, a vestirem-se, a comer, a abandonarem-se. 

 

Caras estremunhadas, caras desconhecidas estremunhadas. Abandonadas.

 

Somos nós que as rodeamos agora. Tal predador em volta da presa, cheiramo-las, inspiramos-lhes o odor até nos inebriarmos de fome e nos fixarmos na ideia de as devorar. 

Num salto, atacamos-lhes o pescoço da alma e sorvemos-lhes a essência. Sugamo-las por inteiro até as possuirmos. São nossas. São nossas. 

 

É a partir deste momento que as podemos estampar numa folha de papel e escrevê-las, desenhá-las, apagá-las e reescrevê-las novamente a nosso bel-prazer. São nossas.

 

 

publicado às 02:17

Coração Elástico

por Mammy, em 26.06.14

Cheguei à conclusão que o meu coração é elástico. 

Com os anos, vai-se a elasticidade da pele, mas fica a do coração. Melhora a do coração. Com a idade, tenho aprimorado a capacidade de encolher e esticar o coração num, cada vez, menor espaço de tempo. 

Numa questão de segundos, o órgão que me comanda as pulsações passa de minúsculo a enorme. Ora me ocupa o peito todo e ainda me sobra para a barriga e pescoço, ora tenho que o procurar duvidando se não se perdeu por algum vaso sanguíneo. 

 

Não digam a ninguém, mas ando desconfiada que a culpa desta elasticidade cardíaca é do meu filho... À medida que vai crescendo e saindo debaixo das minhas saias e asas, o meu coração intensifica os exercícios de estica/encolhe, estica/encolhe. 

Volta e meia, o puto faz algo grandioso (sim o meu filho faz muitas coisas grandiosas) e o meu coração deixa de caber em mim. Meia volta e uma, está longe da saia e da asa e eu de rabo para o ar à procura de um coração minúsculo que me saltou do peito.

 

Dizem as más-línguas que isto não fica assim, que quanto mais os filhos crescem, mais os corações dos pais se exercitam e ficam qual fanático do desporto. 

 

Oxalá se enganem...

 

DAQUI

publicado às 19:23

"A Morte Saiu À Rua"

por Mammy, em 25.06.14

Não se chorava ali. Cruzavam-se conversas do tempo, da escola, de negócios. De vez em quando do T.. Amigo, diziam. "Ele costumava passear-me na altura em que me separei. Pensava que estava pior do que realmente estava e achava que me distraía se me passeasse". Fez o mesmo com a minha mãe, lembrei-me. Passeou-a bastante para a distrair. 

"Todos os sábados, ligava ao T. para tomarmos café. Este sábado ele já não está cá". Este sábado, o café já não vai saber ao mesmo e o mundo será mais pobre. Perdeu um amigo. 

Não se chorava ali. E o assunto mudava. Falava-se do tempo, da escola, de negócios. De vez em quando do T.. "Não trataram dele como deviam no hospital. Um dia, cheguei lá e o ar-condicionado estava a quinze graus. O T. tremia."

Já não treme agora. Nem o encontramos mais na rua. Ficamos à espera de o ouvir falar sobre o estado do país. Ficamos à espera das suas palavras tão certas. E da sua resistência. Resistência ao mundo, e às doenças. Era um sobrevivente, diziam. E o mundo perdeu mais um.

 

"Onde estiveste, mãe?"

"No cemitério" 

"Quem morreu?" 

"O T." 

"Porque não me contaste antes?"

 

Para te poupar... Talvez... Pensei que podia não ser preciso contar-te...

 

"Não sei como reagir à morte, mãe."

 

E eu não sei como explicar-te a morte, filho.

 

"Eu conhecia-o. Falei com ele. Não sei como reagir à morte." 

 

E eu não sei explicar-ta. 

 

"Devias ter-me contado mais cedo."

 

Pois devia. Talvez... Podia não ter sido preciso contar-te...

 

publicado às 04:24

Tempo Sem Fim

por Mammy, em 09.06.14

Cheiro da rua sem escapes

Ar, narinas adentro, até ao fundo

Céu rosa e amarelo lá longe onde a paisagem se faz tela

 

Saudades da terra e da erva

Saudades dos fios da palha nos dedos

 

Rua que passa na janela do comboio à distância do vento na face

Boca aberta e língua encortiçada pela pressa da viagem

 

Saudades do tempo sem fim

 

publicado às 00:43

Morram os Computadores Morram! Pim!

por Mammy, em 06.05.14

O meu computador morreu.

Sim, morreu! Num belo dia apagou-se! Assim, plim, foi-se! Ficou todo escuro e não acordou mais. 

Ando no Magalhães do J., agora. Quem disse que os Magalhães não serviam para nada, hã? É muito bom este bichinho. Parece um caracol, pois faz tudo devagarinho, mas faz. Cá vai fazendo... Abre janelinha aqui, pensa se me mostra o vídeo ou não ali, dá-me um som muito baixinho acolá, mas cá vai andando.

 

Hoje, lá tive que ir à procura de um computador mais para o meu tamanho. 

Nisto da procura e a sentir-me "descomputurada", entrei na onda nostálgica de quando não tínhamos computador em casa. Em conversa com o pai do J., sai-me "naquele tempo em que respondia, orgulhosa, aos vendedores da Meo e da Zon que não tínhamos computador, lembras-te?". E ele lembrou-se. E nós lembrámo-nos. Naquele tempo em que éramos mais felizes... Ele diz-me " naquele tempo em que tínhamos mais tempo..." Eu digo "naquele tempo em tínhamos mais tempo um para o outro..." 

 

Oh, naquele tempo...

 

 

Morram os computadores morram! Pim!

 

publicado às 00:59


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Visitas