Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



#3 Músicas Que Entranham

por Mammy, em 18.09.12

publicado às 01:54

Estou Toda Selada!

por Mammy, em 17.09.12


A Benedita do blogue Aqui não pousam corvos... não se cansa de me oferecer selos e lá me ofereceu mais um...
Este selo é oferecido a blogues com menos de 200 seguidores e, como o meu, apesar de ser um espanto de blogue (ah ah ah ah, sou tão modesta!), só tem 79 seguidores (poucos, mas de alto gabarito!) foi contemplado com este liebster selo. 
E como "não há bela, sem senão", vêm 11 perguntas a reboque e o desafio de passar o selo, e as perguntas, a outros 11 blogues.

  1. O que achas do meu blogue? Benedita, o teu blogue é um dos meus preferidos. Não digo isto por me ofereceres selos, que até nem são a minha especialidade, mas porque gosto do que dizes, da maneira como escreves e da profundidade das tuas palavras. Já gostava do teu blogue anterior, mas sinceramente prefiro este, pois aqui sinto-te mais feliz e positiva.
  2. O que achas da blogosfera? Acho que a blogosfera é um retrato fiel desta sociedade que nos rodeia. Por aqui, encontramos de tudo um pouco: gente boa e gente merdosa; verdades e mentiras; futilidades e recantos profundos da alma; textos impecavelmente escritos e lixo em forma de texto. Enfim, a blogosfera é um universo a explorar.
  3. Coisa mais bonita? O meu filho, claro!
  4. Principal objectivo? Ser feliz.
  5. Maior vício? Ainda... outra vez, fumar.
  6. Música preferida? Já disse aqui, não me vou repetir. Porque não me lembro qual foi a que disse anteriormente e não me apetece ir procurar. Porque não é só essa (a que disse anteriormente), porque há mais, porque sou chata, do contra e porque tenho preguiça de pensar nisso agora.
  7. O que mais odeias? A falta de respeito pelos outros, a maledicência cheia de veneno, a mentira. Odeio muitas coisas, sou um bocado radical no que diz respeito a sentimentos, odeio algumas coisas com a mesma intensidade com que amo outras. 
  8. Qualidade? Vão lendo o blogue e descubram. Ora, ora, querem a papinha toda feita, não?
  9. Defeito? A mesma resposta da pergunta anterior.
  10. Qual o teu ídolo? Ídolo, ídolo acho que não tenho. Admiro várias pessoas pelas mais variadas razões.
  11. És feliz? Às vezes.
Passo o selo, e as perguntas, a todos os liebevollsten Blogs que por aqui passarem.
(Eu sei, eu sei, estrago sempre estes desafios com a minha indisciplina.)

publicado às 00:15

#2 Músicas Que Entranham

por Mammy, em 14.09.12

publicado às 01:22

Ok, Fui de Férias...

por Mammy, em 11.09.12
...Mas já voltei...
Este país conseguiu surpreender-me negativamente em apenas cinco dias de ausência...
Estou aqui há cinco horas e já me ia embora outra vez!

publicado às 23:33

O Isqueiro

por Mammy, em 06.09.12
Já disse aqui que consigo ser extremamente antipática. Também já disse que tenho uma costela malévola. Talvez não tenha sido por estas palavras, mas mesmo que tenha sido por outras, acho que já deu para entenderem que às vezes sou um bocadinho bruta, ríspida, dura, ou má como as cobras.

Na adolescência, quando comecei a fumar, havia imensos miúdos na mesma situação que eu, que começavam a fumar. Porque achavam giro, porque era cool, porque pensavam que assim se integrariam melhor no universo dos grandes. 
Uns, como eu, tinham isqueiro e compravam tabaco, ou seja, alimentavam o vício de maneira autónoma. Outros, achavam muito mais fixe andar ao crava. 
Os cravas cravavam tudo, desde um cigarrito aqui e acolá, até ao lume para acenderem o cigarrito cravado. Por vezes, gamavam o isqueiro, que lhes emprestavam, para o perderem uns minutos mais tarde e tornarem a ter que cravar lume ao próximo fumador autónomo.
Os cravas sempre me irritaram solenemente. Porque eram cravas por opção, porque escolhiam viver numa dependência permanente dos outros...

Eu, quando irritada, era má. Ainda hoje sou, não tanto como naquela altura, mas, de vez em quando, a costela malévola vem-me pedir satisfações, e eu... satisfaço-a.

Cheguei a ser conhecida no meu círculo de amigos como aquela a quem só se pede cigarros ou lume se não houver mais ninguém nas redondezas. À pergunta "dás-me lume?", atirava vezes sem conta um redondo "não!". Em certas circunstâncias, acompanhava-o com um "vai  comprar um isqueiro!". 
Detestava mais que me cravassem lume do que se me cravassem cigarros. Ficava a ferver por dentro. Achava que, se queriam ser fixes e esfumaçar como homens, tinham que pelo menos ter um isqueiro.

Ontem, cravaram-me lume, como nos velhos tempos. 
Hoje, cravaram-me lume, como nos velhos tempos.
Dei-lhes, ontem e hoje.

Mas se amanhã, alguém me voltar a melgar e me vier pedir lume outra vez, não sei se conseguirei segurar o meu "não!" redondo. E aviso já, esta minha costela malévola, anda de novo, e violentamente, a palpitar e, quando ela anda assim, eu costumo transformar-me num bicho mau!

Da Net, da net...

publicado às 00:37

Reacção do Pai do J. ao Post Anterior...

por Mammy, em 02.09.12
- Oh não, esse é o Jerry Lewis! 

publicado às 23:24

Reacção do J. ao Beijo de Reencontro dos Pais...

por Mammy, em 02.09.12
Imagem retirada da Internet

- Temos um final feliz!

publicado às 20:15

Pág. 3/3



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Visitas